© 2019 por Legião Identitária
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon

Viktor Orbán nomeia globalização e especuladores como ameaças à identidade

Como é comum em cada 23 de outubro, a Hungria celebrou sua luta contra o sovietismo e a liberdade. É um feriado nacional com uma conotação particularmente política. Nesta ocasião, o primeiro-ministro Viktor Orbán fez declarações fortes, incluindo o fato de que a identidade da Hungria está novamente ameaçada, desta vez pela globalização e pelos especuladores financeiros.

 

"A liberdade nunca é dada a nós de forma gratuita, devemos sempre lutar por isso", disse Viktor Orbán no início de seu discurso, intitulado "Se a liberdade for perdida, se a independência nacional for perdida, nós também estaremos perdidos".

 

Depois de alguns lembretes históricos adequados e clamor ao patriotismo, bem como uma celebração da memória da bravura e honra húngara, o primeiro-ministro conservador rapidamente politizou seu discurso. E foi primeiro sobre os europeus ocidentais e Bruxelas que dispôs seu foco.

 

"Se os ocidentais admiravam a revolução húngara de '56, eles não a entenderam, eles não entenderam quais forças trabalham dentro de nós... Eles não entenderam que estamos lutando porque valorizamos nossa própria cultura e modo de vida, que não queremos ser dissolvidos no caldeirão de ninguém, queremos ser respeitados como nós somos. Defendemos as fronteiras da Europa há mil anos e lutamos pela nossa independência nacional. Eles também não nos compreendem hoje em Bruxelas, porque já naquela época eles não nos entenderam."

 

Viktor Orbán advertiu o público sobre o perigo que a Hungria enfrenta. E o homem forte de Budapeste não mencionou os migrantes como a principal ameaça, mas sim a invasão migratória:

 

"Estas comemorações ajudam a lidar com as realidades de hoje, e a realidade é que trinta anos após o comunismo, há novamente uma força global que transformaria as nações europeias em um aglomerado padronizado. Queríamos acreditar que o sonho dos comunistas de fazer o Homo Sovieticus a partir dos húngaros nunca poderia nos ameaçar de novo, e hoje testemunhamos com espanto os poderes globalistas tentando forçar a abertura de nossas portas e transformar-nos em Homo Bruxellicus.

 

Queríamos acreditar que nunca teríamos que lidar com forças políticas, econômicas e intelectuais que desejam cortar-nos de nossas raízes nacionais. Também queríamos acreditar que na Europa, o terror e a violência já não teriam mais chance. Não é o caso."

 

Viktor Orbán realizou o seu discurso diante de uma multidão de simpatizantes, que estavam presentes em grande número, apesar da forte chuva. Ele continuou:

 

"Os sucessos da Europa a cegaram, e ela perdeu seu lugar no cenário mundial sem sequer perceber. Ela sonhava com um papel global, e até hoje seus vizinhos não se importam com ela, enquanto ela não consegue manter a ordem dentro de si mesma.

 

Em vez de reconhecer isso, foram lançadas campanhas de vingança contra aqueles que chamaram a atenção para os perigos da decadência espiritual e do niilismo. Aqueles que dizem que a Europa precisa de fronteiras físicas defensáveis são rotulados de forma intransigente. Aqueles para quem a imigração é um perigo para a nossa cultura foram chamados de racistas. Aqueles que falaram em defesa da cristandade foram acusados de discriminação. Aqueles que defendem a defesa da família foram rotulados como homofóbicos. Aqueles para quem a Europa é uma aliança de nações foram chamados nazistas. E, finalmente, aqueles que desejam seguir um caminho diferente do caminho econômico vacilante de Bruxelas são tratados como sonhadores."

 

Então, o primeiro-ministro húngaro nomeou claramente os responsáveis pela ameaça da cultura e do povo da Hungria:

 

"É na esteira da globalização que impérios financeiros ascenderam. Eles não têm fronteiras, mas eles têm mídia global, e eles têm dezenas de milhares de pessoas que compram por sua causa. Eles não têm uma estrutura concreta, mas possuem redes extensas - são rápidos, fortes e brutais. Este império da especulação financeira tem feito Bruxelas como refém, bem como alguns de seus Estados-Membros."

 

Assim, continuou Viktor Orbán, referindo, entre outras coisas, ao seu grande inimigo declarado, o especulador globalista e financeiro George Soros.

 

Para o primeiro-ministro húngaro, é este império financeiro responsável pela imigração em massa:

 

"Este império impôs novas ondas migratórias, milhões de migrantes e novas invasões populacionais. São eles que fomentaram o projeto de transformar a Europa em uma parte misturada do mundo. Nós somos os únicos em pé contra eles. E chegou ao ponto de a Europa Central ser a última parte da Europa sem migrantes."

 

Referindo-se às muitas eleições realizadas na Europa em 2017 e 2018, incluindo a da Hungria que acontecerá no próximo abril, Orbán afirmou que o destino da Europa está agora em jogo:

 

"Será decidido agora se podemos trazer de volta a grande Europa que existia antes do multiculturalismo. Certamente: sensata, civilizada, cristã e livre, esta é a Europa que queremos! Muitos ainda pensam hoje que é impossível. Mas lembremos de 1956."

 

Aplaudido generosamente, o primeiro-ministro concluiu com uma série de declarações ambiciosas destinadas a motivar seus apoiadores a entrar em uma campanha eleitoral furiosa:

 

"Ninguém pode nos dizer o que é impossível. Sabemos que a imigração em massa pode ser interrompida, a globalização pode ser abrandada. Podemos dominar Bruxelas, podemos quebrar os planos dos especuladores financeiros, e podemos colocar uma camisa de força no projeto do federalismo europeu. É o bastante para nós aqui na Europa Central - Poloneses, Tchecos, Eslovacos, Romenos e Húngaros - para unir nossas forças. Basta descobrir a força em nossas mãos, em nossas mentes e em nossos corações. Mas nunca subestimem a força do lado negro."

 

Original: Visegrád Post em 25 de outubro de 2017.

Please reload

Arquivo
Please reload

Temas
Autores
Please reload