• Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
© 2017 por Legião Identitária

Americanos e Confiança Social: Quem, onde e por quê?

Autoria: Pew Research Center

Traduzido por: Bertram Schweickert - Legião Identitária
 

A confiança social é uma crença na honestidade, integridade e confiabilidade dos outros - uma "fé nas pessoas". É um conceito bastante simples de descrever. Mas nunca foi fácil descobrir quem confia ou por quê.

 

Uma nova Pesquisa de Tendências Sociais do Pew está longe de chegar a uma conclusão sobre um assunto que tem atormentado filósofos e cientistas sociais ao longo dos tempos, mas pode fornecer respostas de base para algumas perguntas e dicas tentadoras sobre outras.

 

A pesquisa telefônica solicitou uma amostra nacionalmente representativa de 2.000 adultos, três perguntas destinadas a medir seu nível de confiança social.
 

Ela descobriu que os brancos são mais confiantes do que os negros ou os hispânicos.[1] As pessoas com rendimentos familiares mais elevados são mais confiantes do que aqueles com menores rendimentos familiares. Os casados são mais confiantes do que os não casados. Os de meia idade e idosos são mais confiantes do que os jovens. As pessoas que vivem em áreas rurais são mais confiantes do que aqueles que vivem nas cidades.

 

Em contrapartida, a pesquisa também descobriu que existem alguns traços demográficos e políticos que têm pouca ou nenhuma correlação com os níveis de confiança social. Homem e mulher; Republicanos e democratas; liberais e conservadores; Protestantes e católicos e os seculares - todos esses grupos têm níveis de confiança aproximadamente semelhantes.

 

Quanto à população como um todo, os americanos estão estreitamente divididos na seguinte pergunta: "De um modo geral, você diria que a maioria das pessoas pode ser confiável ou que não pode ser muito aberto em lidar com pessoas?" Cerca de 45% dos inquiridos Na pesquisa do Pew, responderam de acordo com a primeira alternativa, enquanto 50% dizem a última.

 

Essas respostas têm oscilado muito pouco durante as quatro décadas que as organizações de pesquisa de opinião foram fazendo esta pergunta, exceto por um período na década de 1990, quando os níveis de confiança interpessoal medidos decaíram durante um número de anos, provocando uma onda de especulação e estudos sobre as razões pelo declínio. Mas desde então, a confiança social se recuperou em aproximadamente o mesmo nível antes deste intervalo.[2]

 

A nova pesquisa do Pew não investigou as psiques, os valores ou as experiências de vida dos entrevistados, de modo que não pode oferecer pistas sobre como esses fatores podem afetar a inclinação de um indivíduo para confiar em outras pessoas. Em vez disso, observa como os diferentes grupos demográficos responderam a uma bateria de três questões sobre a confiança social:

 

  1. De um modo geral, você diria que a maioria das pessoas pode ser confiável ou que não pode ser muito aberto em lidar com pessoas? Cerca de 45% dos entrevistados disseram que a maioria das pessoas pode ser confiável.

  2. Você acha que a maioria das pessoas tentariam tirar proveito de você se tivessem a chance, ou elas tentariam ser justas? Cerca de 59% dos entrevistados disseram que a maioria das pessoas tenta ser justa.

  3. Você diria que, na maioria das vezes, as pessoas tentam ser prestativas, ou que elas apenas se importam consigo mesma? Cerca de 57% dos entrevistados disseram que a maioria das pessoas tenta ser prestativa. 

 

Quando combinamos as respostas em um índice de confiança social, conseguimos colocar os entrevistados em uma das três categorias: aqueles com níveis altos (35%), moderados (22%) e baixos (38%) de confiança social.
 

Uma Perspectiva Internacional

 

A questão do que explica a confiança social - e porque certas sociedades são mais confiantes do que outras - tem fascinado os cientistas sociais. Muitas teorias foram avançadas - otimismo pessoal; associações voluntárias; sociedades homogêneas; oportunidades iguais; governos honestos - mas ao longo dos anos, nem todos têm resistido ao escrutínio empírico. Pesquisas transnacionais descobriram que os mais altos níveis de confiança social estão nos países homogêneos, igualitários e bem-sucedidos da Escandinávia, enquanto os níveis mais baixos de confiança tendem a ser encontrados na América do Sul, África e partes da Ásia. Nestas pesquisas comparativos multinacionais, a população dos EUA se classifica no intervalo médio-superior da confiança.[3]

 

Por que nós confiamos?

 

Nos Estados Unidos, as repartições demográficas descritas no topo deste relatório foram evidentes em pesquisas realizadas ao longo de muitas décadas. Alguns parecem bastante fáceis de explicar, mas outros continuam sendo uma fonte contínua de mistificação.

 

Na frente mais fácil de explicar, os resultados sobre os níveis mais baixos de confiança entre as minorias e os grupos de baixa renda estão em sincronia com um padrão que os estudiosos têm observado - as pessoas que se sentem vulneráveis ou desfavorecidas, por qualquer motivo, tendem a achar mais arriscado a confiar porque estão menos bem fortificados para lidar com as consequências da confiança mal colocada.[4] De acordo com essa formulação, a pesquisa do Pew também descobre que os graduados da faculdade são mais confiantes do que aqueles com menos educação; e que os profissionais liberais e autônomos são mais confiantes do que aqueles na classe trabalhadora.
 

Onde nós confiamos?

 

É mais difícil desvendar o relacionamento entre onde as pessoas vivem e o quanto confiam. Por que exatamente é que os urbanitas são menos confiantes do que os moradores do campo? Uma explicação óbvia é que mais pessoas pobres e minorias vivem em cidades - e esses dois grupos estão entre os segmentos menos confiantes da sociedade. Mas mesmo depois de isolarmos esses fatores (através de uma técnica estatística conhecida como análise de regressão), ainda descobrimos que as pessoas da cidade são menos confiantes do que as pessoas que vivem em subúrbios, pequenas cidades ou áreas rurais.[5]

 

A proximidade física pode ser um fator? É possível que as pessoas estejam menos inclinadas a confiar em outras pessoas com mais frequência esbarraram-se com elas? Uma análise dos dados da pesquisa do Pew realmente encontra uma pequena tendência para que os níveis de confiança social caírem à medida que a densidade populacional (analisada em base de região para região) aumenta. A pesquisa também descobre que as pessoas que declaram viver em uma área rural são as mais confiantes; as pessoas que dizem viver em uma grande cidade são as menos confiantes; e aqueles que dizem viver em um subúrbio ou pequenas cidades estão em algum lugar intermediário. Mas é absolutamente claro que não há qualquer conexão causal em nada disso.

 

Em verdade, muitos teóricos da confiança social postulam que, quanto mais conexões as pessoas possuem com outras pessoas, são suscetíveis a maior confiança. Esta explicação se alinha bem com a tradição americana. Nossa nação sempre cantou as glórias das comunidades extremamente unidas da América rural e das pequenas cidades, assim como tende a retratar a vida nos subúrbios como isolada e desarraigada.

 

A pesquisa do Pew não fez perguntas sobre interações sociais per se, portanto, não pode oferecer nenhuma iluminação sobre essa hipótese. Ela descobre isso - se eles confiam ou não - os suburbanos e os residentes rurais dão avaliações mais altas às suas comunidades como lugares para viver, enquanto os moradores de cidades e cidades pequenas dão às suas comunidades notas mais baixas.

 

Em suma, as descobertas do tipo de comunidade são um pouco de um quebra-cabeça. No que diz respeito à confiança social, é verdade que existe uma diferença significativa entre viver na cidade e no campo - apenas não é inteiramente claro por quê.

 

Com que idade é que confiamos?

 

Assim como acontece com o tipo de comunidade e a confiança, a relação entre idade e confiança segue um padrão claro, mas serve tal qual um cubo mágico de explicações potenciais.

 

A descoberta da pesquisa do Pew está em linha com pesquisas semelhantes realizadas ao longo dos anos: os adultos mais jovens são menos confiantes do que aqueles que são de meia idade ou mais velhos. Mas por quê?

 

Poderia ser um efeito do ciclo da vida - à medida que as pessoas acumulam mais experiências e têm mais interações com os outros, elas se tornam mais confiantes. Ou poderia ser um efeito geracional - os adultos mais velhos de hoje podem ter atingido a idade em um momento em que os costumes sociais e os eventos históricos proporcionaram um solo de sementes mais fértil para a confiança social.

 

A teoria de coorte das gerações (em Estatística, coorte é um conjunto de pessoas que tem em comum um evento que se deu no mesmo período) foi popularizada na década de 1990 pelo cientista político Robert Putnam, que postulou que as pessoas nascidas antes de 1930 são mais confiantes e preocupadas com o bem-estar comum como resultado de sua grande experiência posterior (Segunda Guerra Mundial), enquanto as seguintes gerações são menos confiantes como resultado das experiências delas (Guerra do Vietnã, Caso Watergate, o recrudescimento da cultura popular, televisão, suburbanização).

 

Outros grupos que possuem uma interpretação distinta sobre Confiança

 

Além dos grupos demográficos destacados no início deste relatório, existem outros segmentos da população em que surgem diferenças significativas na questão da confiança. Entre eles:

 

Educação: Cerca de 50% dos graduados da faculdade têm altos níveis de confiança social, em comparação com 28% das pessoas com escolaridade de nível médio ou inferior.

 

Classe social/econômica: cerca de 50% daqueles que descrevem sua família como classe de profissional liberal ou de negócios possuem altos níveis de confiança social, em comparação com 30% daqueles que se descrevem como classe trabalhadora e 18% entre aqueles que se descrevem como a classe de dificuldades.

 

Experiência militar: cerca de 46% dos homens com experiência militar (seja como veteranos ou atualmente nos serviços armados) têm altos níveis de confiança social, em comparação com 35% entre os homens que nunca serviram nas forças armadas.

 

Histórico de votação: as pessoas que votaram nas últimas eleições presidenciais são quase duas vezes mais propensas que as pessoas que não votaram (40% em comparação com 23%) para ter um alto nível de confiança social.

 

Características sociais que têm pouca ou nenhuma influência

 

Existem outras características sociais que têm pouca ou nenhuma influência na confiança. Por exemplo, os homens são mais inclinados do que as mulheres a ter um alto nível de confiança social, mas a variação é bastante pequena - 38% para os homens, em comparação com 32% para as mulheres.

 

Os sulistas tendem a ser um pouco menos confiantes do que os residentes do Oeste, do Centro-Oeste ou do Nordeste - uma diferença parcialmente explicada pela maior porcentagem de negros que vivem no sul.

 

Os republicanos (42%) são mais propensos que os democratas (34%) a ter um alto nível de confiança social, mas essas diferenças partidárias não são estatisticamente significativas quando a renda é isolada. E praticamente não há diferenças na confiança social por ideologia - conservadores, liberais (progressistas) e moderados todos têm níveis muito semelhantes.

 

Finalmente, praticamente não há diferença entre protestantes e católicos em níveis de confiança social. Também não há diferenças entre protestantes e católicos e pessoas que não têm preferência religiosa.

 

Sobre a Pesquisa

Os resultados para esta pesquisa são baseados em entrevistas telefônicas conduzidas com uma amostra representativa nacional de adultos com idade igual ou superior a 18 anos que vivem em casas de telefone continentais dos EUA.

 

  • Entrevistas realizadas de 18 de outubro a novembro. 9, 2006;

  • 2.000 entrevistas;

  • A margem de erro de amostragem é de mais ou menos 2,5 pontos percentuais para os resultados com base no total da amostra no nível de confiança de 95%. A margem de erro é maior para os resultados baseados em subgrupos de respondentes.


Entrevistas realizadas sob a direção de Princeton Survey Research Associates International. As entrevistas foram realizadas em inglês e espanhol.

 

Tenha em mente que a formulação de perguntas e dificuldades práticas na realização de pesquisas podem introduzir erros ou viés nas descobertas de pesquisas de opinião.

 

Leia o relatório completo para obter mais detalhes.

[1] Refere-se a brancos não hispânicos e negros não hispânicos. Os hispânicos se referem aos inquiridos de qualquer raça.

 

[2] Para tendências de longo prazo, veja os Estudos Eleitorais Nacionais e a Pesquisa Social Geral.

 

[3] Veja Delhey, Jan e Kenneth Newton. 2005. “Predicting Cross-National Levels of Social Trust: Global Pattern or Nordic Exceptionalism?” European Sociological Review, 21 (4): 311-327. Newton, Kenneth. 2004. “Social trust: individual and cross-national approaches,” Portuguese Journal of Social Science, 3 (1): 15-35. Rothstein, Bo and Eric M. Uslaner. 2005. “All for all: Equality, corruption, and social trust,” World Politics, 58: 41-72

 

[4] Veja, por exemplo, Paxton, Pamela. 2005. “Trust in Decline?” Contexts, 4(1): 40-46. Wuthnow, Robert, 1998. “The Foundations of Trust” Philosophy & Public Policy Quarterly, 18(3): 3-8

 

[5] Com base em uma regressão OLS que prevê níveis de confiança social no índice de 3 itens (valores variando de 3 a 9 com valores mais elevados que representam respostas mais confiantes) de renda, educação, idade, gênero, raça e etnia, estado civil, média pontual da densidade populacional do distrito, tipo de comunidade autodescrita e região do país.

 

[6] Uma terceira possibilidade poderia ser efeitos de período - a confiança social vai para cima e para baixo para todas as idades e coortes geracionais durante diferentes épocas da história do nosso país.

 

[7] Robinson, Robert V. e Elton F. Jackson. 2001. “Is Trust in Others Declining in America? An Age-Period-Cohort Analysis” Social Science Research, 30: 117-145. Houve também algumas evidências de interações complexas entre os efeitos do ciclo de vida, coorte e período nesta análise.

Please reload

Arquivo
Please reload

Temas
Autores
Please reload