© 2019 por Legião Identitária
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon

Mos maiorum - Costume dos Ancestrais

 

Códigos de comportamento não escritos; respeito às normas; conduta correta, são tão antigos quanto as colinas, pelo menos tão antigos quanto as Sete Colinas de Roma.

 

O mos maiorum, geralmente traduzido como "costume ancestral", era as leis não escritas (Ius Non Scriptum) da Roma Antiga. Incluía princípios consagrados, modelos comportamentais e práticas sociais que afetavam todos os aspectos da vida na Roma Antiga - privada, política e militar. Não precisava de explicação, exceto para os bárbaros.

 

Certamente que a lei escrita era a base da prática legal e da jurisprudência romana, mas mos maiorum era para onde todos recaíam em casos de dúvida ou ruptura, ou se um orador quisesse invocar a prática tradicional romana para confirmar seu argumento. Por sua própria natureza, era o conceito central do tradicionalismo romano. Ir contra o mos maiorum poderia ser complicado, pois era a amálgama social de Roma e protegido pela geração mais velha, que geralmente ocupava o poder político e econômico no na esfera pública, bem como o poder social na esfera privada do lar.

 

Família e sociedade


O termo romano familia é melhor traduzido como "Lar", pois incluiu todas as pessoas ligadas à família do proprietário, indo desde o chefe da família ao escravo mais novo. Refletindo a própria sociedade patriarcal, o chefe de uma família romana, o pater familias, era o homem mais velho. A hierarquia familiar era tradicional e auto-perpetuada, suportada pelo e mantendo o mos maiorum. O pater familias possuía autoridade absoluta sobre sua família, incluindo o poder da morte e o direito legal de vender qualquer membro de sua família, incluindo seus próprios filhos. A família era uma unidade autônoma dentro da sociedade e um modelo para a ordem social. No entanto, o pater familias deveria exercer esse poder com moderação e agir de forma responsável em nome da família. O risco e a pressão da censura social se ele não cumprir as expectativas também era uma forma de mos (código-costume). As sanções evoluíram à medida que o império cresceu e condenavam o maltrato de escravos e as mulheres adquiriram mais direitos e proteções, particularmente nos séculos III e IV.

 

A Relação entre Patrono/Cliente

 

A relação social definitiva da Roma Antiga era o que existia entre o patrono e cliente. Em termos básicos, um patrono era uma pessoa de riqueza e influência para quem o cliente prestava auxílio e apoiava, especialmente nas eleições. Por sua vez, o patrono protegeria o cliente e recompensaria com comissões, esperançosamente lucrativas. Um cliente pode pedir ao patrão a assistência com a busca de absolvição (em caso de infringimento de alguma norma) ou para a promoção de um membro da família ou dele mesmo. Ter um patrocinador influente melhoraria o status do cliente. Ambas as palavras significam coisas diferentes hoje, mas ainda há ecos, como quando uma pessoa distinta se torna patrono de uma instituição de caridade, presta esse status de caridade e atrai atenção na mídia.

 

Apesar das obrigações desta relação antiga fossem mútuas, elas também eram hierárquicas. Um patrão pode estar sob a obrigação de alguém com maior status ou maior poder, e um cliente pode ter mais de um patrono, cujos interesses podem entrar em conflito. E, claro, um cliente de um homem pode muito bem ser o patrono de outros mais abaixo na cadeia hierárquica. Qualquer patrono teria vários ou muitos clientes que atendessem a ele todas as manhãs com a esperança de atrair sua atenção. Se a familia era a unidade básica subjacente à sociedade, essas redes hierárquicas criaram os laços que tornaram possível uma sociedade complexa.

 

Embora muitas atividades das relações patrono-cliente estivessem relacionadas aos tribunais, o patronato não era ele próprio um contrato legal; as pressões para sustentar as obrigações de alguém eram morais, fundadas na qualidade da fides (confiança) e, é claro, no mos maiorum. Os conquistadores ou governadores enviados ao exterior para administrar territórios romanos estabeleceram laços pessoais como patrão para comunidades inteiras, que então poderiam ser perpetuadas como uma obrigação romana de tipo familiar.

 

Tradição e evolução

 

Suetonius cita um edito dos censores de 92 a.C.: "Toda novidade que é feita contrariamente aos costumes e tradições de nossos antepassados, parece não ser correta". Contudo, porque o mos maiorum era costume e não lei escrita, ele evoluía ao longo do tempo. A capacidade de manter um senso de identidade fortemente centralizada enquanto permitir a adaptação às circunstâncias em mudança contribuiu para a expansão de Roma de uma cidade peninsular para uma potência mundial.

 

A preservação do mos maiorum dependia do consenso e da moderação entre a elite dominante, mas a política democrática, dirigida pelos populares (líderes populistas), como Gracchus, que favoreceu os interesses da plebs (plebeus), potencialmente prejudicaram o princípio conservador do mos.

 

Reformas eram realizadas através da legislação, e a lei escrita foi introduzida para substituir o que havia sido consenso implícito. Quando os plebeus obtiveram acesso a quase todos os mais altos cargos, os interesses das famílias plebeias ascenderam à elite alinharam-se com os dos patrícios, criando nobiles de Roma, um status social para a elite de definição nebulosa durante a República. A plebe e seu apoio aos políticos populistas continuaram sendo uma ameaça para o consenso de mos e elite na República Tardia, como observado na retórica de Cicero.

 

O mos maiorum poderia ser evocado para validar desenvolvimentos sociais em nome da tradição. Seguido o colapso da república romana após a morte de seu pai adotivo Júlio César, o astuto Otávio disfarçou seu programa radical como devoção ao mos maiorum em seu caminho para se tornar um poderoso indivíduo,  o Augusto.

 

Durante a transição para o Império Cristão, Quintus Aurelius Symmachus argumentou que a prosperidade e a estabilidade contínua de Roma dependiam da preservação do mos maiorum. O poeta cristão primitivo, Prudêncio, descartou essa adesão cega à tradição como "a superstição dos antigos vovôs" (superstitio veterum avorum) e inferior à nova verdade do cristianismo.

 

Ainda assim, o mos maiorum permanece durante a historia de Roma como guia moral e cultural. A lealdade ao Estado, a família como unidade social e econômica fundamental, a interdependência  e "fazer o que é certo" foram fortes convicções na identidade romana.

Autor: Alison Morton

Original

Please reload

Arquivo
Please reload

Temas
Autores
Please reload