© 2019 por Legião Identitária
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon

Filhos.

O historiador francês Fustel de Coulanges (1830-1889) é conhecido principalmente por sua tese de que era a religião da antiga Grécia e Roma que levou à expansão e sucesso – tanto culturalmente e militarmente – da civilização clássica. Isso tem pouco a ver com a mitologia do Monte Olimpo, de Zeus e de Hermes, que é o que geralmente pensamos quando falamos sobre o sistema de crenças grego. De acordo com Coulanges, o que era importante para as famílias nobres da Grécia e de Roma era a religião popular de base familiar, que honrava a e santificava a linhagem familiar (uma pesquisa mais recente sobre o culto aos antepassados ​​gregos - caso você queira ler mais sobre isso – pode ser encontrado no trabalho de Martin P. Nilsson). Na religião grega como descrito por Coulanges, houve uma troca dialética que ocorreu entre os vivos e os mortos. Os ancestrais continuaram a atender seus descendentes lineares como espíritos guardiães, enquanto os ritos e veneração dos vivos serviram para – em certo sentido – conferir vida eterna aos mortos. Isso tornou absolutamente essencial que a linhagem familiar fosse mantida, pois "os mortos não tinham futuro sem descendência viva". Isso não é menos verdade hoje, mesmo que o quadro tradicional para a compreensão dessas coisas tenha sido quebrado. De fato, não há provavelmente nenhuma acusação maior da nossa sociedade do que seu anti-natalismo. Uma sociedade sem filhos é uma sociedade que, literalmente, comete suicídio. (Um amigo libanês compartilhou comigo um provérbio árabe: "A história é feita pelas pessoas que surgem.") Mas enquanto estou feliz observando sociedade entrar em colapso e parar na lixeira da história, nós estamos trabalhando para construir algo que irá sobreviver a esse colapso. Portanto, devemos ter em mente que construir tribos - e não apenas Männerbünde (Uma organização, como uma irmandade, cujos membros compartilham ritos secretos e prometem ajudar uns aos outros) - significa estabelecer linhagens.

 

Com isso dito, e enquanto eu acho que ter filhos é importante, o meu ponto em escrever este ensaio é a questão de homens que usam o fato de que eles têm uma família como desculpa para abandonar todos os projetos de auto-superação. Estou disposto a apostar que você tem amigos que se encaixam nesta descrição. Antes de se casarem e "se estabelecerem", eram pessoas interessantes e dinâmicas. Depois que as crianças aparecem, tudo muda. Geralmente os homens engordam, param de trabalhar fora, param de ler (com exceção, talvez, de histórias de ninar), e param de gastar tempo com seus camaradas – caras que não têm filhos ou que não se deixaram ser completamente domesticados. Quando você os visita em suas casas, você vai notar a substituição lenta, mas constante de cada artefato da idade adulta com brinquedos de plástico e mamadeira. É como se a casa agora pertence às crianças e os adultos estão lá apenas para atender suas necessidades, como funcionários. Indo em "férias" agora significa visitando parques temáticos onde outros "adultos" usam trajes de animais de desenho animado – isto é, se tem algumas férias, porque "Caramba, as crianças são caras!" Na academia onde eu pratico artes marciais, os caras costumavam treinar de forma consistente, de repente desaparecem por longos períodos de tempo, dando apenas a desculpa “Ei, cara! Eu tenho filhos”. E?

 

Não há dúvida de que ter filhos vai mudar a sua perspectiva e prioridades, e deve. A natureza nos conecta a amar nossos filhos mais do que amamos nossos amigos, nossos pais, ou mesmo nossos parceiros românticos, e isso faz todo sentido do ponto de vista evolutivo. Sinto uma aguda repulsa por qualquer homem que abandonaria seus próprios filhos, e você provavelmente pode se identificar com isso se tiver filhos. Uma consequência de ter filhos pode ser uma maior ênfase na segurança. Outra é uma atitude de auto-abnegação que os homens expressam quando dizem coisas como "Eu tenho sacrificado tudo para meus filhos". Isto é supostamente virtuoso, e certamente há um elemento de virtude nisso, porque uma vez que temos crianças, não somos mais livres para ser inteiramente egoístas ou egocêntricos. Mas é realmente virtuoso sacrificar "tudo" para seus filhos? Certamente cria um círculo vicioso. Será que meus pais "sacrificaram tudo" para mim, para que eu pudesse "sacrificar tudo" para os meus filhos? Estou "sacrificando tudo" para os meus filhos para que eles, por sua vez, "sacrifiquem tudo" para meus netos? Isso só faz sentido se aplicarmos aos seres humanos a lógica de um criador de animais, cujo único objetivo é produzir mais animais.

 

Para nós, o objetivo deve ser: viver vidas que superem a vida de nossos pais, e ter filhos que podemos sonhar que um dia irão nos superar. É assim que nossas tribos crescerão não só em números, mas em poder.

 

No Antigo Testamento, Deus é apresentado como um patriarca furioso e vingativo. Ele é ciumento, inseguro e caprichoso. Ele é um tipo durão, na verdade, e como muitas outras pessoas têm apontado não realmente o tipo de cara que você gostaria de ter como pai. Seu filho, Jesus, ou pelo menos Jesus como o encontramos no Evangelho de Mateus, é um pouco mais como um pai "moderno", com toda essa conversa sobre "virar a outra face" e não "julgar". Certamente, é o Jesus do Protestantismo contemporâneo (quer tenha ou não alguma coisa a ver com o Jesus Bíblico). O Jesus moderno, como o pai moderno, na maioria é apenas um amigo e consolador, um pouco treinador e um pouco terapeuta. Mas, como observou Alain de Benoist, no paganismo os deuses não têm o mesmo caráter paternal do Deus cristão. Eles não são nem abusivos e críticos pais "old school", nem são melosos, sensíveis pais “modernos”. Os deuses do paganismo estão lá para servir como exemplos e modelos. É por isso que grandes heróis, através de um processo de transmutação histórica e mítica, poderiam realmente tornar-se deuses. Os deuses estão lá para nos inspirar e nos fornecer a força que precisamos para nos tornar mais do que somos. Esse é o destino que eles nos atribuíram, ainda que dependa do nosso próprio exercício de vontade para apreendê-lo.

 

É também assim que vejo nosso papel como pais. É claro que precisamos ser presentes para nossos filhos, cuidar deles, providenciá-los e discipliná-los. Isso pode, por si só, envolver um investimento considerável de tempo, dinheiro e, em muitos casos, melancolia. No entanto, você não está fazendo aos seus filhos nenhum favor quando você desiste de si mesmo no processo, mesmo que você saiba ou não que está fazendo isso por causa deles. Odisseu pode não ter sido o maior pai do mundo – na Odisseia, ele deixa seu filho em Ítaca, quando ele parte para lutar em Troia. Mas Telêmaco poderia ter se saído muito pior, ao invés disto ele tornou-se um homem, pois tinha um herói como pai.

 

Isto é confirmado no final da epopeia, quando o pai e o filho são reunidos, e Odisseu encontra seu filho como um homem crescido – um igual. Em vez de estagnar em uma vida de conforto e sossego burguês, seja um herói para seus filhos. Treine mais, saiba mais, lute mais, desenvolva-se – para que seus filhos tenham algo a que aspirar e se inspirar.

 

Então, quando você morrer, você pôde ter os descendentes que são dignos de cuidar do fogo que queima sobre sua sepultura.

 

Original: http://www.operationwerewolf.com/war-journal/2017/1/10/kids

Please reload

Arquivo
Please reload

Temas
Autores
Please reload