© 2019 por Legião Identitária
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon

A Lógica da Arte Moderna

 

A essência da arte moderna é a negação da beleza. O valor da beleza - junto com sua associação com o sagrado - é invertido. Fealdade e vulgaridade são agora apresentadas como "arte".

 

O método de como isso é feito:

 

A beleza tem duas formas: 1) beleza-sem-forma (beleza generalizada), 2) e beleza-com-forma (a beleza de coisas particulares.) Há, além disso, a eterna conexão entre o estético e o sagrado.

 

Isso oferece três meios de inverter a beleza:

 

  1. Inversão da beleza-sem-forma

  2. Inversão da beleza-com-forma

  3. Inversão do elo estético/sagrado


Vamos começar por olhar para 1) beleza-sem-forma.
 

1. Inversão da Beleza-sem-Forma


Para entender a beleza-sem-forma devemos entender o conceito de entropia.

 

Para nossos propósitos, a entropia pode ser entendida como o princípio de que tudo no universo tende a uma maior desordem ao longo do tempo. À medida que o tempo aumenta, o mesmo acontece com a desordem/entropia. A exceção existe se a energia é colocada em algo para fazer as coisas se moverem na outra direção - isto é, para a ordem aumentada (baixa entropia).

 

Isso é intuitivamente óbvio. Se colocarmos nossas energias na construção de um edifício e depois deixarmos para os elementos, ele vai apenas deteriorar ao longo do tempo. O tijolo e argamassa desmoronarão, o vidro quebrará; o edifício vai ruir lentamente até o colapso. Isso é entropia. Da ordem à desordem. Por outro lado, uma grande pilha tijolos e materiais nunca irá espontaneamente construir-se em uma casa por acaso.

 

Para tomar outro exemplo, imagine um castelo de areia em uma praia. Mas, em vez de pensar nele como um único objeto, pense nele em termos de suas muitas partes constituintes - os grãos de areia do qual é composto e, ao lado disso, imagine um monte de areia constituído por um número mais ou menos idêntico de grãos de areia. O castelo de areia representa os grãos de areia em um estado de entropia baixa (ordenada). O monte de areia representa os grãos em um estado de entropia alta (desordenada).

 

A entropia é uma medida de quantas maneiras podemos reorganizar os grãos de areia sem estragar a forma ou estrutura geral. Existem maneiras infinitamente maiores de fazer isso com o monte de areia sem causar qualquer alteração significativa na sua estrutura. Isto é, portanto, dito possuir "alta entropia", ou seja, um estado desordenado. Enquanto  que, ao realizar qualquer rearranjo dos grãos de areia no castelo de areia, ele não será mais a mesma coisa. Isto significa que apresenta baixa entropia, o que representa um estado mais altamente ordenado. E novamente, se deixado aos elementos, então os ventos atacarão o castelo de areia e gradualmente se desintegrará e tornar-se-á menos ordenado.

 

 

Um estado de baixa entropia é um estado estético. É a isso que nos referimos como beleza-sem-forma; a beleza de nada em particular. E inversamente, um estado de alta entropia é um estado não-estético.

 

Baixa entropia = Alta estética

Alta entropia = Baixa estética

 

 

Um estado de baixa entropia é um estado estético elevado.

 

 

A beleza-sem-forma é a manifestação da ordem no mundo. A estética é a cristalização da ordem no mundo. Ordem pode ser entendida como consistindo de dois componentes complementares, harmonia e complexidade:

 

Ordem = Harmonia + Complexidade

 

Se dermos uma olhada nas fotos acima e abaixo podemos entender o que a fórmula simples acima realmente significa.

 

 

Assim,

 

Beleza-sem-Forma = Harmonia + Complexidade

 

Portanto, a beleza/ordem também pode ser negada de uma destas duas maneiras:

 

1) Através da minimização radical da harmonia

ou

 

2) Através da minimização radical da complexidade

 

Em outros termos:

 

1) [alta complexidade / baixa harmonia]

 

ou

 

2) [baixa complexidade / alta harmonia]:

 

Alta complexidade / baixa harmonia = complexidade desordenada
Baixa complexidade / alta harmonia = harmonia hiper-simplista
 

Aqui estão exemplos de 1) e 2) ...

 

Portanto, este é o primeiro meio pelo qual a beleza pode ser negada. A totalidade da "estética" moderna constitui uma negação voluntária da beleza. A modernidade é inteiramente negativa. A modernidade é uma neurose.

 

2. Inversão da Beleza-com-Forma


Agora passamos da negação da beleza-sem-forma à negação da beleza-com-forma - isto é, o padrão de beleza que é particular a uma coisa em si.

 

A exposição mais clara dessa ideia veio de Platão, embora a própria ideia existisse muito antes de ele próprio ter chegado a defini-la. Esta ideia chama-se Teoria das Formas de Platão. Sua premissa é que cada objeto tem sua própria forma ou estrutura ideal; pertencentes ao domínio metafísico, fora do espaço e do tempo. Assim, por exemplo, existe a Forma de um círculo perfeito. Um objeto individual no mundo humano pode ser dito um círculo, ou circular, apenas na medida em que integra, ou imita, a forma perfeita de um círculo.

 

Toda pessoa nasce com o conhecimento inato da forma ideal de todos os fenômenos naturais. Dois exemplos pertinentes, para o nosso propósito, são o rosto humano e o corpo humano. Verificou-se, por exemplo, que os bebés recém-nascidos passam mais tempo a olhar rostos adultos atraentes do que os não atraentes - esta é uma preferência inata. Possuem um modelo conceitual inato (embora subconsciente) do rosto perfeito contra o qual julgam a atratividade dos rostos humanos atuais.

 

Vejamos Máscara da Beleza, desenvolvido pelo cirurgião plástico Dr. Stephen Marquardt. A máscara foi produzida usando um quadro matemático para medir as proporções de beleza.

 

 

Abaixo está um exemplo da Máscara da Beleza de Marquardt sobreposta a exemplos do mundo real - reais e representacionais.

 

 

E aqui temos duas representações históricas do corpo masculino perfeito - Homem Vitruviano de Leonardo da Vinci (à esquerda) e Discóbolo de Myron (à direita).

 

Os exemplos seguintes ilustram o segundo meio de negar a beleza - Através da negação da beleza-com-forma - Isto é, distorcendo radicalmente um objeto longe de sua Forma ideal (enquanto ainda sendo reconhecível dessa Forma).

Seis Partes de Francesco Sambo

 

3. Inversão do elo Estético/Sagrado


O terceiro e último meio de negar a beleza é menos diretamente relacionado com a própria beleza. Envolve uma rejeição radical do vínculo tradicional entre o estético e o sagrado.

 

Isto é conseguido através da justaposição do estético e/ou sagrado, com elementos que estão no ponto mais distante possível do espiritual. (O mais baixo, o mais básico, o mais grosseiro, o vulgar, sórdido, sujo, o aspecto mais biológico, animal e carnal da existência humana).

 

A seguir, dois exemplos bem conhecidos, que utilizam essa justaposição em relação àquilo que o Ocidente tradicionalmente considerou sagrado:

 

 

Uma justaposição similar no reino da estética, produzida pelo grupo de teatro feminista 'Sirens', constitui em permanecer de pé no palco fazendo movimentos masturbatórios masculinos como parte de uma peça de arte performática:

 

 

 

Conclusão


A aplicação prática de tudo isso é que agora - dotada da lógica subjacente da arte moderna - deveria ser perfeitamente possível que criássemos nossa própria arte moderna, para elucidar os princípios delineados neste artigo, e fazê-lo para demonstrar a falsa natureza de tudo; o que pode ser feito de forma irônica (como os memes). Esta é certamente a melhor linha de ataque contra essas coisas - uma estratégia mais eficaz do que simplesmente construir e propagar argumentos contra elas, minuciosamente minando a sua credibilidade.

 

Original: https://identityforum.org.uk/2017/04/03/the-logic-of-modern-art/

Please reload

Arquivo
Please reload

Temas
Autores
Please reload