• Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
© 2017 por Legião Identitária

Alain de Benoist: A Crise da Modernidade

O imaginário da modernidade é dominado por desejos de liberdade e igualdade. Estes dois valores cardinais foram traídos. Cortados das comunidades que os protegiam, dando sentido e forma à sua existência, os indivíduos estão agora sujeitos a um mecanismo tão imenso de dominação e decisão que sua liberdade permanece puramente formal. Suportam o poder global do mercado, da tecnociência ou das comunicações sem jamais poder influenciar seu curso. A promessa de igualdade falhou em dois aspectos: o comunismo o traiu instalando os regimes totalitários mais assassinos da história; o capitalismo a banalizou legitimando as desigualdades sociais e econômicas mais odiosas em nome da igualdade. A modernidade proclama direitos sem, de modo algum, fornecer os meios para exercê-los. Exacerba todas as necessidades e cria continuamente novas, reservando o acesso a elas a uma pequena minoria, que alimenta a frustração e a raiva de todos os outros. Quanto à ideologia do progresso, que responde às expectativas humanas alimentando a promessa de um mundo em constante evolução, encontra-se em profunda crise. O futuro parece imprevisível, não mais oferecendo esperança, e aterrorizando quase todo mundo. Cada geração enfrenta um mundo diferente do que seus pais conheciam. Combinada com transformações aceleradas de estilos de vida e contextos vivos (nomoi), esta novidade duradoura, baseada em desacreditar os pais e as velhas experiências, não produz felicidade, mas miséria.

 

O "fim das ideologias" é uma expressão que designa a exaustão histórica das grandes narrativas mobilizadoras que se materializaram no liberalismo, no socialismo, no comunismo, no nacionalismo, no fascismo e, finalmente, no nazismo. O século XX assinalou a morte para a maioria dessas doutrinas, cujos resultados concretos foram o genocídio, a limpeza étnica e o assassinato em massa, as guerras entre as nações e a rivalidade permanente entre os indivíduos, as catástrofes ecológicas, o caos social e a perda de todas os pontos significativos de referência. A destruição do mundo da vida* em benefício da razão instrumental, do crescimento econômico e do desenvolvimento material resultou num empobrecimento sem precedentes do espírito e na generalização da ansiedade relacionada com a vivência de um presente sempre incerto, num mundo privado tanto do passado e do futuro. Assim, a modernidade deu à luz a civilização mais vazia que a humanidade já conheceu: a linguagem da publicidade tornou-se o paradigma de todo o discurso social; o primado do dinheiro impôs a onipresença das mercadorias; o homem foi transformado em objeto de troca num contexto de hedonismo médio; a tecnologia enlaçou o mundo da vida em uma rede de racionalismo - um mundo repleto de delinquência, violência e incivilidade, no qual o homem está em guerra consigo mesmo e contra todos, isto é, um mundo irreal de drogas, realidade virtual e esportes mediáticos, em que o campo é abandonado por subúrbios inviáveis ​​e monstruosas megalópolis, onde o indivíduo solitário se funde em uma multidão anônima e hostil, enquanto as tradicionais mediações sociais, políticas, culturais ou religiosas se tornam cada vez mais incertas e indiferenciadas.

 

Esta crise geral é um sinal de que a modernidade está chegando ao seu fim, precisamente quando a utopia universalista que a estabeleceu está prestes a se tornar uma realidade sob a forma de globalização liberal. O fim do século XX marca o fim dos tempos modernos e o início de uma pós-modernidade caracterizada por uma série de novos temas: a preocupação com a ecologia, a preocupação com a qualidade de vida, o papel das "tribos" e das "redes" A reviravolta das comunidades, a política das identidades grupais, a multiplicação dos conflitos intra e supra-estatais, o retorno da violência social, o declínio das religiões estabelecidas, a crescente oposição ao elitismo social, etc. Não tendo nada novo a dizer e observando o crescente mal-estar das sociedades contemporâneas, os agentes da ideologia dominante são reduzidos aos discursos montados e clichês tão comuns na mídia num mundo ameaçado de implosão - explosão, não explosão, porque a modernidade não será transcendida com o grande crepúsculo (versão secularizada da Segunda Vinda de Cristo), mas com o surgimento de milhares de auroras, ou seja, o nascimento de espaços soberanos liberados da dominação do moderno. A modernidade não será transcendida pelo retorno ao passado, mas por meio de certos valores pré-modernos numa dimensão decisivamente pós-moderna. É somente ao preço de tal reestruturação radical que a anomia e o niilismo contemporâneo serão exorcizados.

Please reload

Arquivo
Please reload

Temas
Autores
Please reload