• Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon
© 2017 por Legião Identitária

Cristo Vencedor, Cristo Rei

i.

 

Começou, como era necessário, com uma mulher.

 

Existem dois estados femininos que formam o alicerce da civilização. A primeira e mais óbvia é a maternidade. Ser mãe é criar a próxima geração, no sentido mais literal e biológico - sem mulheres dispostas a assumir o peso da maternidade, a raça e a sociedade deixarão de existir. Portanto, toda civilização que não caminha para o abismo valoriza e promove suas mães, exaltando com razão a maternidade como a primeira e mais elevada contribuição que qualquer mulher faz à sua nação.

 

Nossa civilização não esqueceu completamente a virtude da maternidade, mas estamos chegando perto. O louvor dado acima irritaria muitos daqueles determinados a valorizar as mulheres para qualquer coisa exceto a maternidade. No entanto, mesmo isso é melhor do que o ódio direto empilhado sobre a outra virtude feminina: a virgindade.

 

Porque a virgindade é o outro lado da moeda da maternidade. Uma virgem é uma mulher que se tornará mãe, mas não ainda - porque está à espera da bênção social e espiritual, esperando ser integrada na comunhão vertical, transgeracional, que liga o passado e o futuro da civilização juntos. Os homens também devem ser castos, é claro, mas porque é a mulher e não o homem aquela que carrega a próxima geração em seus corpos, é tanto simbolicamente significativo e evolutivamente prudente para a mulher ser louvada mais altamente por sua virgindade do que o homem.

 

E assim não é por acaso que o digno rei começa a sua vida em alguém que unifica o estado de maternidade com o estado de virgindade, e que recebe o maior louvor por ele. O fundamento do Reino é aquele que é Virgem e Mãe.

 

Essa união impossível de virtudes complementares se tornará um padrão.


ii.

 

Não é por acaso que, imediatamente após os céus terem sido abertos e a identidade do digno rei ter sido revelada, ele foi enviado para o deserto. E não apenas enviado por alguém; ele foi "guiado pelo Espírito Santo" no deserto, onde poderia "aprender obediência através do que sofreu". O digno rei recebe sua herança de seu pai, mas ele ainda deve tornar-se digno através de julgamento.

 

Ele foi tentado a fazer pão, mas ele se recusou. "O homem não viverá só de pão". O homem digno não é governado pelos desejos do corpo.

 

Ele foi tentado a se lançar fora do templo, contando com seus servos para salvá-lo, mas ele se recusou. O homem digno não tem necessidade de testar seus servos sem sentido, e ele conhece prudência mesmo com aqueles em quem pode confiar.

 

Ele foi tentado com o poder, não daquele que podia dar-lhe corretamente, mas que colabora com o usurpador. Sua resposta a isso foi a mais firme de todas: "Longe de mim, Satanás!"

 

iii.

 

O povo precisava de pão, assim lhes deu pão. O digno rei sempre se assegurará de que seu povo tem pão, dará a si mesmo como pão, mas o reino não pode ser fundado na distribuição de comida.

 

Imediatamente depois de lhes ter dado pão, o povo se revoltou para fazer dele um rei. Eis outra oferta de poder: a soberania imediata e popular, a certeza gloriosa de uma multidão de cinco mil clamando para fazer dele seu rei. Por qualquer medida democrática de legitimidade, este foi o auge de suas realizações.

 

Ele fugiu dela. O poder da multidão não é o poder que o digno rei quer ou exige. Ele abomina a democracia e usou a ocasião de seu milagre mais popular para afastar as multidões.

 

Imediatamente ele começou a ensinar coisas duras e estranhas, repelindo as multidões de fãs com referências veladas aos rituais teofágicos. "Este é um ensino difícil", disseram. "Quem pode aceitá-lo?" E muitos deles não. Eles diminuíram e saíram, as multidões recuaram, a ameaça de legitimidade por meio de aclamação popular foi dissipada.

 

"Você não quer ir embora também?", Perguntou aos mais próximos a ele.

 

Mas eles ficaram, e esse grupo de doze (e um traidor) se tornou o fundamento de tudo o que veio depois.

 

iv.

 

Ele sofreu. Não vamos eufemizar isso: ele sofreu, e seu sofrimento era real e difícil, agonizante e imerecido.

 

Mas não vamos repetir o erro da atualidade e assumir que aqueles que sofrem nas mãos das autoridades são automaticamente louváveis ​​por causa disso. Ele não exige nossa simpatia. Não sentimos pena dele. Ele não estava desamparado diante de uma autoridade cruel. Ele não era oprimido.

 

Ele era um vencedor.

 

Os grandes escritores que o seguiram sempre descrevem seu sofrimento dessa maneira. Não é o sofrimento de um inocente que recomenda este evento aos nossos olhos, mas o fato de que o digno rei suportou esse sofrimento para que assim ele pudesse derrotar as forças elementares do mundo. A madeira manchada de sangue não é o local de uma injustiça horrível, mas sim um campo de batalha no qual os tiranos, os usurpadores e os atormentadores foram derrubados. O digno rei deve ultimamente enfrentar os poderes que estão entre ele e seu reino, derrotar os bárbaros que têm oprimido seu povo, tomar seu assento no trono, retificar o governo e restaurar o reino. (O último inimigo a ser derrotado é a morte.)

 

Os falsos deuses da era atual nos levariam para sempre de volta ao campo de extermínio e às árvores de linchamento como um espelho negro desse evento, fingindo que a mera negação da maldade pode ser o fundamento de uma moralidade universal. Mas isso é falso: não se pode criar uma coisa sólida a partir do espaço negativo em torno de um crime, e não se pode fazer um reino meramente repetindo os crimes de seus inimigos. Na tentativa de fazê-lo, os sacerdotes ímpios devem constantemente inventar novos crimes e imaginar novos inimigos, sem os quais seu vazio fundamental é exposto. Não nos lembramos da cruz dessa maneira.

 

Lembramos isso porque aqui o rei legítimo, o herdeiro do reino, o Filho do Pai, finalmente e decisivamente tornou-se digno e recebeu o Reino, atropelando a morte pela morte.

 

Original: http://www.socialmatter.net/2016/12/08/christ-as-victor-christ-as-king/

 

Please reload

Arquivo
Please reload

Temas
Autores
Please reload