© 2019 por Legião Identitária
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon

Tempo para Tolkien

Estamos em uma época em que numerosos grupos religiosos, étnicos ou sexuais estão ameaçando a estabilidade da comunidade, tentando impor seus próprios valores a todos os outros. Uma época em que um certo político - que não nomearemos - tem elevado o politicamente correto para o ponto onde agora é proposto que devemos ensinar história de acordo com a etnicidade dos estudantes. Ao mesmo tempo, estamos testemunhando um retorno paradoxal ao conforto nostálgico do antigo épico, maravilhosamente exemplificado na obsessão atual por J. R. R. Tolkien.

 

O mundo de Tolkien está profundamente imbuído de uma hierarquia carismática e não tecnocrática. Um lugar onde o poder terreno, à imagem da realeza de Aragorn, é representado como um fardo, enquanto a reverência é uma honra. Aqui, o herói é profundamente individualista, embora não seja conduzido pelo materialismo egoísta, mas sim por um humanismo moral que o obriga - Elendil, Bilbo ou Faramir - a permanecer fiel às suas convicções, mesmo ao preço de uma ruptura com a sociedade.

 

Aqui reside o conservadorismo tolkieniano, que entende que a felicidade e a harmonia não podem ser garantidas por meios externos, como tecnologia ou instituições, mas apenas através do comportamento ético do indivíduo, que aprende, assim como Eowyn ou Sam aprenderam, a aceitar sua natureza inata e não um desordenada ideia de igualitarismo artificial. Ao mesmo tempo, este universo é profundamente religioso: foi profanado pelo domínio de Melkor [ou Morgoth, o Primeiro Senhor das Trevas], tornando ilusória toda a felicidade passageira e qualquer esperança de uma ordem ideal terrestre uma utopia. A história da Terra Média é fundamentalmente uma tragédia, consistindo em uma série de atos heroicos - por Beren, Eärendil e Frodo - condenados ao fracasso. Só a graça divina permite alcançar o ideal de completar sua busca.
 

Mas esta visão não é meramente confinada à imaginação literária. É também acompanhada por uma reflexão crítica sobre a modernidade, que hoje seria provavelmente suficiente para expulsar Tolkien de Oxford. Aqui ele está sendo irônico em uma carta de 1943: "Tudo está se tornando um pequeno maldito subúrbio provinciano. Quando introduziram o saneamento americano, o moralismo, o feminismo e a produção em massa em todo o Oriente Próximo, no Oriente Médio e na URSS... Como ficaremos felizes ". Até a tão esperada vitória aliada deixa-o cético:" A verdadeira guerra não é como a lendária guerra. Se a verdadeira guerra tivesse inspirado ou ditado o desenvolvimento da lenda, certamente o Anel teria sido apreendido e usado contra Sauron. "(O Senhor dos Anéis, 2ª ed., Prefácio.)

 

O que dizer das razões externas por trás dessa renovada popularidade de Tolkien no início do século XXI, a não ser uma oculta e profunda aversão ao nosso mundo pós-moderno e um anseio por um grande épico sobre uma sociedade simples, integral e ancestral ? Um escapismo, aliás, que está em processo de se transformar gradualmente, como mostra o surgimento de movimentos carismáticos e conservadores para a restauração política.

 

Quando será O Retorno do Rei?

 

Original: http://www.counter-currents.com/2016/12/time-for-tolkien/

 

Please reload

Arquivo
Please reload

Temas
Autores
Please reload