BLOG

Quem são os supremacistas?

Não é incomum movimentos identitários e tradicionalistas ao redor do globo receberem acusações infundadas de que são supremacistas, extremistas e intolerantes. Em verdade, ao apontarem um monstro externo, estes acusadores apenas deixam transparecer seus monstros internos, pois suas acusações são apenas reflexo de seus sentimentos interiores. Os progressistas, pós-modernos e globalistas, procuram a todo custo se tornarem uma força hegemônica e os métodos utilizados para alcançar esse fim são desprovidos de pudor. São adeptos da censura e da perseguição, silenciam e difamam todos aqueles que discordam de suas ideias. Basta uma palavra contrária ao que eles pregam para você ser exposto e public

Heavy Metal: O Culto ao Heroico

Em uma cena onde o lema é "Sexo, Drogas e Rock 'n' Roll", que faz parecer que este fruto da modernidade irá caminhar para o abismo como todos os outros, surge um fenômeno interessante. O Heavy Metal permanece como um bastião em contraponto aos demais estilos musicais mainstream que são completamente degenerados. É possível encontrar no Metal diversos ensinamentos que evocam valores dignos da sociedade ocidental. Heavy Metal é Richard Wagner traduzido em um estilo mais simplificado. "Quando os fundamentos de nossa existência, Começam a esfacelar-se um a um E legislações a protegerem seus violadores E aqueles que mais pagarem vencem Nem mesmo os deuses das incontáveis religiões Detêm poder

Pelo direito de afirmar nossa identidade

Desde a segunda metade do século XX a afirmação da identidade europeia vem se tornando um tabu, e para alguns, uma ofensa. Na Europa o significado de europeu é mera questão de berço territorial, uma significação geográfica desprovida de sentidos mais profundos de sentimento de pertença. No Brasil, aquele que é descendente de europeus apenas, com pais e avós europeus, é ridicularizado ao se afirmar como tal. A paranoia da esquerda progressista considera europeu um árabe nascido na Europa, mas rejeita a afirmação de um eurodescendente nascido no Brasil. Nega-se a transgeracionalidade, a herança cultural e o direito de afirmação identitária. Ao mesmo tempo, de forma hipócrita, enaltecem um afro

Nova lei canadense permite que o governo remova a guarda das crianças se os pais não aceitam sua ide

Uma província canadense aprovou uma lei que dá direitos ao governo de remover a guarda de crianças de famílias que não aceitam a "identidade de gênero" ou a "expressão de gênero" escolhida por elas. O Ato de Apoio às Crianças, Jovens e Famílias de 2017, também conhecido como Bill 89, foi aprovado em Ontário por um voto de 63 a 23, informou The Christian Times. A lei, que substitui velhas leis que regem a proteção da criança, serviços de acolhimento e adoção, instrui todos os serviços infantis e juízes a levar em consideração a "raça, ascendência, local de origem, cor, origem étnica, cidadania, diversidade familiar, deficiência, credo, sexo, orientação sexual, identidade de gênero e expressão

Dominique Venner: Europa e Europeidade

O que é a Europa? O que é um europeu? Do ponto de vista geopolítico e histórico, a Europa é definida pelas suas fronteiras. O centro, o núcleo europeu, é formado por nações que, embora muitas vezes em conflito, experimentaram uma história comum desde a Alta Idade Média. Essencialmente, elas são as nações resultantes do Império Carolíngio e seus arredores, aquelas que constituíram com o Tratado de Roma de 1957, a Europa conhecida como "as Seis": França, Alemanha Ocidental, Itália, Bélgica, Holanda e Luxemburgo. Além disso, vemos tomar forma um segundo círculo, incluindo as nações norte-atlânticas e setentrionais, bem como a Europa Oriental e os Bálcãs. Por fim, um terceiro círculo de alianças

Quem fará nossos cafés?

Escrito por Derek Hopper em Quillette Quando uma pessoa da plateia do programa da BBC Question Time perguntou “Quem vai fazer nossos cafés?” (http://bit.ly/2r08gFs) ela sinceramente acreditava estar dando um argumento em favor de fronteiras abertas e do globalismo. A sua pergunta é válida. Quem faria os cafés? Em Londres, no verão passado, eu comi em alguns Pret A Mangers (para os não familiarizados, Pret é uma popular rede inglesa de cafés e sanduíches) e após ver a pergunta no vídeo da Question Time eu notei a falta de sotaques londrinos nestas lojas. Não apenas na Prets; a ausência de londrinos brancos era a norma em todos os coffee shops e redes de fast-food que eu ia. Não contente em ha

O cristianismo é uma religião inerentemente feminina?

Os traços e qualidades que são considerados "viris" têm sido consistentes há milhares de anos e universais para as culturas em todo o mundo. Um menino nasce macho, mas ele teve que conquistar o título de homem. Ele fez isso provando-se em testes de habilidade e autocontrole, desenvolvendo sua autonomia, autoconfiança e dureza, abraçando o risco, a luta e conflito, competindo com seus pares para ganhar status. A força física era valorizada, junto com outras virtudes marciais como coragem; a proeza do campo de batalha sempre foi central para o código da masculinidade. No geral, um homem tem de se destacar no "3 P's da masculinidade" - Prover, Proteger e Procriar. A masculinidade nunca foi um c

© 2019 por Legião Identitária
  • Black Facebook Icon
  • Black YouTube Icon